Sem patente nem comenda: "Sargento Garcia", de Caio Fernando Abreu

Autores

  • José Luiz Fourreaux de Souza Júnior

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v0i7.103

Palavras-chave:

Literatura Brasileira, Caio Fernando Abreu, Subjetividade, Homoerotismo

Resumo

Resumo: O artigo tem como objetivo principal mais uma leitura de um dos textos de Caio Fernando Abreu. A obra dele já está suficiente e consolidadamente chancelada pela crítica. Os dois argumentos se sustentam na ideia de que a primeira parte do conto desenha um pano de fundo para a leitura que proponho: o cenário. A segunda parte do artigo desenvolve a leitura em si mesma, chamando a atenção para aspectos que considero importantes para o desenvolvimento da ideia: a assimetria que marca as relações poder, sem especificação particular, articulada pela articulação de termos, expressões e imagens. Identifico esse conjunto de elementos discursivos como “dêiticos”. Deve ficar claro que não faço defesa desta ou daquela escola linguística, procurando atacar e/ou defender teorias acerca dos “dêiticos”. O que importa é tentar “ler” as relações que aqui são ficcionalmente prenunciadas. Por fim, na terceira parte do artigo, acrescento algumas considerações, no sentido de “amarrar” ideias num feixe que, incendiado pelo “fogo” da leitura, complementem as considerações anteriores. Falar em “conclusão” me parece um tanto premeditado.

Palavras-chave: Literatura brasileira, Caio Fernando Abreu, Subjetividade, Homoerotismo.

_____________________________
Abstract: This article aims at reading Sergeant Garcia, one of Caio Fernando Abreu’s main texts. This work is strongly sealed by the criticism. Two arguments support the idea that the first part of the tale draws a backdrop for reading – specifically, we focus the scene. The second part of the article develops the reading itself, drawing attention to aspects that I consider important for the development of the idea: the asymmetry that marks power relations, articulated by the articulation of terms, expressions and images. I identify this set of discursive elements as “deictic”. It should be clear that I do not defense a specific language school, trying to attack and/or defend theories about the “deictic”. What matters is to try to “read” the relationships here are fictionally foreshadowed. Finally, at the third part of the article, I add some considerations in order to “tie” ideas into a bundle, set on fire by the “fire” of reading, complementing the above considerations. Speaking of “conclusion” seems somewhat premeditated.

Keywords: Brazilian Literature, Caio Fernando Abreu, Subjectivity, Homoeroticism.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Sargento Garcia. In: Morangos Mofados. 8 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.
ALENCAR, José de. O demônio familiar. Rio de Janeiro: Aguilar, 1960.
ALMEIDA, Horácio de. Dicionário de termos eróticos e afins. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.
ANDRADE, Mário de. Contos Novos. 17 ed. Belo Horizonte: Rio de Janeiro: Itatiaia, 1999.
ASSIS, José Maria Machado de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.
BALDERSTON, Daniel. El deseo enorme cicatriz luminosa: ensayos sobre homosexualidades latinomaericanas. Rosario: Beatriz Viterbo, 2004.
BARBOSA, João Alexandre. A leitura do intervalo: ensaios de crítica. São Paulo:Iluminuras: SEC-SP, 1990.
BARCELLOS, José Carlos. Identidades problemáticas: configurações do homoerotismo masculino em narrativas portuguesas e brasileiras (1881-1959).
Boletim do Centro de Estudos Portugueses. Belo Horizonte: UFMG, n. 23, juldez, 1998, p. 7-42.
________. Literatura e Homoerotismo masculino: perspectivas teóricometodológicas e práticas críticas. Caderno Seminal. Rio de Janeiro: Dialogarts, n. 8, 2000, p. 7-42.
________. Literatura e homoerotismo masculino: entre a cultura do corpo e o corpo da cultura. In: LYRA, Bernadette; GARCIA, Wilton (orgs.). Corpo & Imagem. São Paulo: Arte e Ciência, 2002.
CANDIDO, Antonio. A personagem de ficção. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.
COSTA, Jurandir Freire. Impasses da ética naturalista: Gide e o Homoerotismo. In: NOVAES, Adauto (org.). Ética. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria
Municipal de Cultura, 1992.
________. A inocência e o vício: estudos sobre homoerotismo. 3 ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1992.
________. A face e o verso: estudos sobre homoerotismo II. São Paulo: Escuta, 1995.
COUTINHO, Afrânio. Erotismo e literatura. Rio de Janeiro: Cátedra, 1979.
DURIGAN, Jesus Antônio. Erotismo e literatura. 2 ed. São Paulo: Ática, 1986.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Trad. de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 16 ed. Rio
de Janeiro: Graal, 1988.
GARCIA, Wilson. A forma estranha: ensaios sobre cultura e homoerotismo. São Paulo: Pulsar, 2000.
GOTLIB, Nádia Battella. Teoria do conto. 10 ed. São Paulo: Ática, 2002.
GINZBURG, Jaime. A crítica da sociedade patriarcal em contos de Mário de Andrade. Ciências & Letras. Porto Alegre, n.34, jul/dez 2003, p. 39-45.
GREEN, James Naylor. Além do carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Ed UNESP, 2000.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 6 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.
________. Quem precisa de identidade?. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 3 ed. Petrópolis:
Vozes, 2004.
HUTCHEON, Linda. Poética do pós-Modernismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.
LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
________. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Estudos feministas. Florianópolis, jul/dez, 2009, p. 541-552.
RICHARD, Nelly. Intervenções críticas: arte, cultura, gênero e política. Trad. de Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: UFMG, 2002.
SANTIAGO, Silviano. Stella Manhattan. 2 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
SEIDLER, Victor J. La sinrazón masculina: masculinidad y teoria social. Ciudad de México: Programa Universitário de estúdios de género: Universidad Nacional Autônoma de México: Editorial Paidós Mexicana; Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica; Buenos Aires: Editorial Paidós: 2000.
SOUZA JR., José Luiz Foureaux de (org.). Exercícios de leitura. São Paulo: Scortecci, 2001.
________ (org.). Literatura e Homoerotismo: uma introdução. São Paulo: Scortecci, 2002.
________. Os herdeiros de Sísifo: Teoria da Literatura e homoerotismo. Mariana: Aldrava Letras e Artes, 2007.
________. Dimensões conceituais do desvio: do Formalismo ao homoerotismo. In: Vianna, Vera Lúcia Lens et alii (orgs.). Mediações do fazer literário: texto, cultura & sociedade. Santa Maria: Ed. PPGL-UFSM, 2009.

Downloads

Publicado

2018-04-26

Como Citar

Júnior, J. L. F. de S. (2018). Sem patente nem comenda: "Sargento Garcia", de Caio Fernando Abreu. Jangada: Crítica | Literatura | Artes, (7), 4–37. https://doi.org/10.35921/jangada.v0i7.103

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.