Uma leitura do conto "Corujas", de Caio Fernando Abreu, através da filosofia de Jacques Derrida

Autores

  • Simone Damasceno Guardalupe

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v0i7.109

Palavras-chave:

Animal, Ser humano, Consciência, Violência, Alteridade

Resumo

Resumo: O presente trabalho pretende analisar o conto “Corujas”, do escritor Caio Fernando Abreu, através da filosofia de Jacques Derrida. Em suas palestras, o filósofo francês apresenta conceitos pertinentes no que tange à categoria da alteridade, como a percepção, a hospitalidade e a animalidade. Tais conceitos podem ser observados no conto “Corujas”, pois nesse texto há uma crítica ao comportamento do homem diante do outro, que, nesse caso, se trata de um casal de corujas.

Palavras-chave: animal, ser humano, consciência, violência, alteridade.

___________________
Abstract: This work intends to analyze the short story "Owls", the writer Caio Fernando Abreu, through the philosophy of Jacques Derrida. In their talks, the french philosopher presents relevant concepts in relation to the category of otherness, as perception, hospitality and animality. These concepts can be seen in the story "Owls", because in this text there is a criticism of human behavior on the other, in this case, it is a couple of owls.

Keywords: animal, human being, consciousness, violence, otherness.

Referências

ABREU, Caio Fernando. O inventário do ir-remediável. Porto Alegre: Sulina, 1995.
BENNINGTON, Geoffrey. Jacques Derrida. Tradução, Anamaria Skinner; revisão técnica, Márcio Gonçalves, Caio Mario Ribeiro de Meira – Rio de Janeiro: Jorge
Zahar. Ed., 1996.
CARVALHAl, Tânia Franco. O encantador de serpentes da escrita. Zero Hora, Porto Alegre, 02 març.1996.p.03.
COELHO, Eulália Isabel. Domínio do Irremediável em Caio: Palavra/Imagem. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 5, n. 9, p. 197-217,
jan./jun. 2006.
DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou (A seguir). Trad. Fábio Landa. São Paulo. Editora UNESP, 2002.
__________________. Da Hospitalidade. Entrevista concedida à Anne Duffourmantelle; tradução de Antonio Romane; revisão técnica de Paulo Ottoni.
– São Paulo: Escuta,2003
__________________. Pensar em não ver: escritos sobre as artes do visível (1979-2004).
Organização Ginette Michaud, Joana Masó, Javier Bassas. Trad. Marcelo Jacques de Moraes. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012. 480 páginas
__________________. Mal de Arquivo: uma impressão freudiana. Tradução, Cláudia de Moraes Rego. – Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.
MACIEL, Sônia Maria. Corpo invisível: uma leitura filosófica de Merleau-Ponty. Porto Alegre, EDIPUCRS, 1997
MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto Riberio de Moura. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.
MERLEAU-PONTY, Maurice. O olho e o espírito. Tradução de Paulo Neves e Maria Ermantina Galvão Gomes Pereira. São Paulo: Cosacnaify,
MERLEAU-PONTY, Maurice. O Visível e o Invisível. São Paulo: Perspectiva, 1971.
NOVAES, Adauto. O olhar. São Paulo: Companhia das Letras,1988.
PIVA, Mairim Linck. Múltiplas vozes de uma voz múltipla. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 225-233, jun. 2001.
_________________. Um romancista do Sul: muito além do espaço. Navegações, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 16-26, jan./jun. 2012.
QUINET, Antonio. Um olhar a mais: Ver e ser visto na psicanálise. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004

Downloads

Publicado

2018-04-27

Como Citar

Guardalupe, S. D. (2018). Uma leitura do conto "Corujas", de Caio Fernando Abreu, através da filosofia de Jacques Derrida. Jangada: Crítica | Literatura | Artes, (7), 110–122. https://doi.org/10.35921/jangada.v0i7.109