"Um lugar chamado Brick Lane": da subalternidade à construção de uma identidade feminina independente, moderna e insubordinada

Autores

  • Elis Regina Fernandes Alves UFAM
  • Sara Almieira da Rocha

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v1i16.301

Palavras-chave:

Mulher. Objetificação. Subjetificação. Feminismo.

Resumo

Este artigo analisa a personagem feminina Nazneen no romance Um lugar chamado Brick Lane (2003), de Monica Ali, com o objetivo principal de verificar seus passos para sua emancipação, o modo como ascende como mulher, tornando-se independente e insubmissa. Em contraponto com a ascensão de Nazneen, verifica-se também a estagnação de sua irmã, Hasina, que por ter ficado em uma sociedade com o discurso patriarcal mais acentuado, não consegue conquistar sua autonomia. A metodologia de investigação consiste em textos teóricos que discutem o papel da mulher na sociedade, o surgimento das lutas e o feminismo literário, como meio de mulheres escritoras apresentarem e representarem personagens femininas desafiadoras, independentes e insubordinadas. Para sustentar essas contestações, o trabalho baseia-se nos autores: Bourdieu (2002), Beauvoir (1980 I e II), Wollstonecraft (2016), Showalter (2014), dentre outros. Os resultados do trabalho mostram que a subjetividade da protagonista é construída a partir da evolução de uma mulher submissa ao marido, para uma mulher independente, insubmissa e moderna. Entende-se que Nazneen apenas consegue construir sua subjetividade porque é inserida numa sociedade mais liberal que a sociedade muçulmana, uma vez que Hasina, por ficar nesta sociedade, não consegue escapar das imposições patriarcais.

Referências

ALI, Monica. Um lugar chamado Brick Lane. Tradução de Léa Viveiros de Castro. Rio de janeiro: Rocco, 2004.

AUSTEN, Jane. Razão e Sensibilidade. Tradução de Mariana Menezes Neumann. Rio de Janeiro: Best Bolso, 2011.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo sexo: fatos e mitos. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980 I.

________. O Segundo sexo: a experiência vivida Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980 II.

Biografia de Monica Ali. British Council, Reino Unido: Doubleday (online). Disponível em: <https://literature.britishcouncil.org/writer/monica-ali> acesso em: 28 jun. 2020.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRONTË, Charlotte. Jane Eyre. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

LUFT, Lya. A Sentinela. São Paulo: Siciliano, 1994.

MATOS, Maria Izilda Santos; SOIHET, Rachel. O corpo feminino em debate. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

MICHEL, André. O Feminismo: Uma abordagem histórica. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

MILLETT, Kate. Política Sexual. Tradução de Alice Sampaio, Gisela da Conceição e Manuela Torres. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1970.

PERROT, Michele. Minha história das mulheres. Tradução de Angela M. S. Corrêa. São Paulo: Contexto, 2007.

PINTO, Paulo Gabriel Hilu da Rocha. Islã: religião e civilização. Uma abordagem antropológica. Aparecida, SP: Editora Santuário, 2010.

SAFFIOTI, Heileieth. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SHOWALTER, Elaine. A Literature of their Own: British Women novelists from Brontë to Lessing. New Jersey: Princeton Up, 2014.

SILVA, Dirceu Alves da. A mulher mulçumana: Uma visão panorâmica de Meca a São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2014.

TRUZZI, Oswaldo. Família Árabe Muçulmana em São Paulo. In: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, n.1, 2008, p. 37 a 74.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos da mulher. Tradução de Ivania Pocinho Motta. São Paulo: Boitempo, 2016.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. Vera Ribeiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1990.

Downloads

Publicado

2021-01-30

Como Citar

Fernandes Alves, E. R., & Almieira da Rocha, S. . (2021). "Um lugar chamado Brick Lane": da subalternidade à construção de uma identidade feminina independente, moderna e insubordinada . Jangada: Crítica | Literatura | Artes, 1(16), 335–357. https://doi.org/10.35921/jangada.v1i16.301