As geografias do exílio: lugares do corpo e da memória no conto de Mario Benedetti

Autores

  • Juliana Milman Cervo

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v0i9.52

Palavras-chave:

Memória, Exílio, Corpo, Trauma

Resumo

RESUMO: O presente trabalho propõe-se a analisar o conto Geografias, do escritor uruguaio Mario Benedetti, a partir da compreensão de que existe sempre uma dimensão da alteridade radical que nos escapa ao nos depararmos com uma literatura acerca do exílio e da tortura. Os personagens do conto se ancoram em lugares da memória, conceito proposto por Pierre Nora (1993), em razão da dificuldade de acederem às suas recordações. O trauma experimentado por sua condição de exilados rompe com o acesso ao simbólico, e todas as marcas ficam restritas ao corpo. Essa escrita visa a compreender como a obra de Benedetti irá contribuir para a garantia de um ethos enunciativo diante das geografias dos corpos talhados pela violência de Estado, até então sem direito à fala, a partir da possibilidade de transmutação da dor vivida em escrita criativa.

PALAVRAS-CHAVE: Memória, exílio, corpo, trauma.

_________________

 ABSTRACT : The present work proposes to analyze the story Geographies, by the uruguayan writer Mario Benedetti, from the understanding that there is always a dimension of radical alterity that escapes us when we come across a literature on exile and torture. The characters of the tale are anchored in places of memory, a concept proposed by Pierre Nora (1993), because of the difficulty of accessing their memories. The trauma experienced by his status as exiles breaks with access to the symbolic, and all marks are restricted to the body. This writing aims to understand how the work of Benedetti will contribute to the guarantee of an enunciative ethos before the geographies of the bodies carved by state violence, hitherto without the right to speak, from the possibility of transmutation of pain lived in creative writing.

KEYWORDS : Memory, exile, body, trauma.

 

Referências

ASSMANN, Aleida. Sobre as metáforas da recordação. In: ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: EDUNICAMP, 2011.
BENEDETTI, Mario. Geografías. In: Cuentos Completos. Montevidéo: Editorial Planeta S.A., 2009.
BERND, Zilá. Estratégias memoriais na sociedade contemporânea. In: Por uma estética dos vestígios memoriais. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.
GRAZIADEI, Neiva Maria. Fronteiras da memória, o exílio de cada um: a narrativa dos rastros em Mario Benedetti e Marta Traba. 2015. 202 f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2001.
HILMANN, James. Cidade e Alma. In: Cidade & Alma. São Paulo: Studio Nobel, 1993.
IANNI, Octavio. A metáfora da viagem. In: Enigmas da modernidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
KRISTEVA, Julia. Tocata e fuga para o estrangeiro. In: Estrangeiros para nós mesmos. RJ: Rocco, 1994.
KRYSINSKI, Wladimir. Discurso de viagem e senso de alteridade. Organon, Porto Alegre, v. 17, n. 34, pp. 21-43, 2003.
NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. In: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, n. 10. São Paulo, dez.-1993.
OUELLET, Pierre. Palavras migratórias. As identidades migrantes: a paixão do outro. In: HANCIAU, Núbia & DION, Syvia (Org.). A literatura na história. A história na literatura. Rio Grande: Ed. da FURG, 2013.
SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. Tradução: Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
Sites consultados:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Mario_Benedetti. Acesso em: 11/11/2016.

Downloads

Publicado

2018-04-06

Como Citar

Cervo, J. M. (2018). As geografias do exílio: lugares do corpo e da memória no conto de Mario Benedetti. Jangada: Crítica | Literatura | Artes, (9), 4–15. https://doi.org/10.35921/jangada.v0i9.52

Edição

Seção

Varia