A poesia pau-brasil: desconstruindo o Brasil de José de Alencar em "Iracema"

Autores

  • Ingrid da Silva Marinho
  • Telma Borges

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v0i6.95

Palavras-chave:

Poesia pau-brasil, Iracema, Desconstrução, Carnavalização

Resumo

Resumo: Este artigo analisa a Poesia Pau Brasil, de Oswald de Andrade, como sendo uma reescrita da genealogia da identidade brasileira, no sentido de desconstruir a ideia de Brasil no romance Iracema, de José de Alencar, o qual trata do índio como um elemento mítico e exclui a presença do negro. Nesse
sentido, essa reflexão fará uma breve análise de ambas as obras, partindo da tentativa de compreender a representação identitária nacional, tangenciando o
conceito de carnavalização, elemento presente em Pau Brasil e de suma importância para reforçar a ideia de desconstrução do Brasil escrito por Alencar.

Palavras-chave: Poesia Pau Brasil; Iracema; Desconstrução; Carnavalização.

_______________________
Abstract: The article analyzes the Pau Brasil Poetry of Oswald de Andrade as a rewrite of the genealogy of Brazilian identity, in order to deconstruct the idea of
Brazil in the novel Iracema, by José de Alencar, which deals with the Indian as a mythical element and exclude the presence of black slaves. In this sense, this
reflection will make a brief analysis of both works, based on the attempt to understand the national identity representation, tangential to the concept of
carnivalization, this element in the work Pau Brasil and of great importance to strengthen the deconstruction of the idea of Brazil written by Alencar.

Keywords: Poesia Pau Brasil; Iracema; Deconstruction; Carnivalization.

Referências

ALENCAR, José de. Iracema. Ministério da Cultura. Fundação Biblioteca Nacional. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bn000014.pdf. Acesso
em: 10/09/2015.
ANDRADE, Oswald de. Pau Brasil. Paris: Sans Pareil, 1925.
ANDRADE, Oswald. Manifesto da Poesia Pau Brasil. In: TELES, Gilberto Mendonça. Vanguardas Europeias e Modernismo Brasileiro. Rio de Janeiro: Vozes, 1972. p. 203-208.
CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. 5. ed. Belo Horizonte / São Paulo: Itatiaia; EDUSP, 1975.
CUNHA, Eneida Leal. A Antropofagia, Antes e Depois de Oswald. In: TELES, Gilberto Mendonça et al. Oswald Plural. Rio de Janeiro: UERJ, 1995. p. 49-57.
FIGUEIREDO, Vera Lúcia Follain de. Oswald de Andrade e a Descoberta do Brasil. In: TELES, Gilberto Mendonça et al. Oswald Plural. Rio de Janeiro: UERJ,
1995. p. 85-92.
GARDINER, Michael. O carnaval de Bakhtin: a utopia como crítica. In: RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor (Orgs.) Mikhail Bakhtin linguagem, cultura e mídia. São Carlos: Pedro & João Editores, 2000. p. 211- 255.
HELENA, Lúcia. A hipótese Brasil. In: A solidão tropical: o Brasil de Alencar e da modernidade. Porto Alegre: EdiPURS, 2006. p. 89-103.
LIMA, Luiz Carlos. Oswald de Andrade – a utopia antropofágica: uma utopia sem história. In: TELES, Gilberto Mendonça et al. Oswald Plural. Rio de Janeiro: UERJ, 1995. p. 93-97.
SANTINI, Juliana. A poiesis pictórica de Pau-Brasil – tradição, ruptura e identidade em Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral. Ícone – Revista de Letras, São Luís de Montes Belos, v. 2, p. 105-122, jul. 2008. Disponível em: http://www.slmb.ueg.br/iconeletras. Acesso em: 25/04/2015.
SILVA, Anazildo Vasconcelos da. Vertente Épica do Pau-Brasil. In: TELES, Gilberto Mendonça et al. Oswald Plural. Rio de Janeiro: UERJ, 1995. p. 187-199.
SODRÉ, Nelson Werneck. História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand, 1988.
STAM, Robert. Bakhtin – da teoria literária à cultura de massa. Trad. Heloísa Jahn. São Paulo: Ática, 1992.
SOUZA, Zildete Lopes de. Do discurso político ao discurso literário: o (não) lugar do negro na nação imaginada por José de Alencar. Montes Claros, 2015. Dissertação
(mestrado em Estudos Literários) - Programa de Pós-Graduação em Letras – UNIMONTES.

Downloads

Publicado

2018-04-24

Como Citar

Marinho, I. da S., & Borges, T. (2018). A poesia pau-brasil: desconstruindo o Brasil de José de Alencar em "Iracema". Jangada: Crítica | Literatura | Artes, (6), 57–72. https://doi.org/10.35921/jangada.v0i6.95

Edição

Seção

Varia