Dimensões conceituais do desvio: do Formalismo ao Homoerotismo

Autores

  • José Luiz Fourreaux de Souza Júnior

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v0i1.15

Palavras-chave:

Formalismo, Homoerotismo

Resumo

O que vai aqui dito é simplesmente uma tentativa de síntese de um longo e intrincado processo de investigação teórica acerca da Literatura. O pressuposto básico é o de que é necessário, mais que possível, produzir um conhecimento específico acerca do literário, para que esta “disciplina”, a Teoria da Literatura, não se torne apenas um exercício retórico de descrição de um objeto alheio a este mesmo exercício. Daí a idéia de que a leitura do texto literário não perde, nunca, a sua efetividade. O conhecimento teórico que se procura produzir, então, terá a marca do exercício da leitura crítica que interpreta, projetando sentidos discursivos possíveis, a partir de uma subjetividade que se constitui e se submete, paradoxal e simultaneamente, neste mesmo discurso. O leitor deixa de ser a figura decorativa entronizada por um acerta tradição teórica, para ocupar o lugar de cento do discurso teórico-crítico-interpretativo da literatura, instituído a partir dos estudos da Estética da recepção.

Referências

CORNEJO, Inés; URTEAGA, Maritza; VIVEROS, Frank. Las fronteras de Polanco: una mirada al género desde el consumo simbólico. Signo y Pensamiento, n. 28, p. 87-98, 1996.
COSTA, Jurandir Freire. A face e o verso: estudos sobre o Homoerotismo II. São Paulo: Escuta, 1995.
CULLER, Jonathan. Teoria da Literatura: uma introdução. Trad. de Sandra Vasconcelos. São Paulo: Beca Produções Culturais, 1999.
EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura: uma introdução. Trad. de Waltensir Dutra. São
Paulo: Martins Fontes, s/d.
ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Cartografias dos estudos culturais: uma versão latino-americana. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2001.

Downloads

Publicado

2018-03-30

Edição

Seção

Ensaios