A voz erótica feminina em "Ritmos de inquieta alegria", de Violeta Branca

  • Carla Medeiros UEA
  • Elaine Pereira Andreatta
Palavras-chave: Violeta Branca, autoria feminina, erotismo

Resumo

Ritmos de inquieta alegria (1935), de Violeta Branca, tem como uma das principais características o erotismo vazado em um lirismo densamente audacioso e, também por isso, constitui-se como obra de importantíssimo marco na literatura produzida no Amazonas. Este trabalho se propõe a analisar os aspectos eróticos e a espiritualidade provenientes da consciência do eu lírico feminino, bem como elementos sagrados e profanos. Para este fim, buscou-se suporte teórico em obras basilares que foram, principalmente, O erotismo (1987), de Georges Bataille, A Dupla chama: Amor e erotismo (1994), de Octávio Paz, O sagrado e o profano (1992), de Mircea Eliade e A sensibilidade dos Punhais (2011), de Marcos Frederico Krüger, além de artigos que versam sobre o tema. Além disso, realizou-se leitura dos poemas de Violeta Branca a fim analisar a presença do erotismo e da espiritualidade derivados da profunda consciência de eu-no-mundo por parte do eu lírico feminino, observando-se, dessa forma, a relação estabelecida entre o erotismo e a religiosidade da obra que transita, sutilmente, entre pulsões sagradas e profanas.  

Referências

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução Calos Viana. Porto Alegre: LP&M, 1987.

BRANCA, Violeta. Ritmos de inquieta alegria. Manaus: Editora Valer, 1998.

COELHO, Nelly Novaes. O erotismo na literatura feminina do início do século XX - da submissão ao desafio ao cânone -, 2016. Disponível em < http://www.hottopos.com/vdletras3/nelly.htm > Acesso em 23 de abril de 2020.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. Trad. Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

FONSECA, Pedro Carlos Louzada. O que (inter)rompe o erotismo na literatura de autoria feminina. In: BORGES, Luciana. O erotismo como ruptura na ficção brasileira de autoria feminina: um estudo de Clarice Lispector, Hilda Hirst e Fernanda Young.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade I: A vontade de saber. Trad: Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

KRÜGER, Marcos Frederico. A sensibilidade dos punhais. Manaus: Editora Muiraquitã, 2011.

MORAES, Eliane Robert. A erótica literária no modernismo brasileiro. 2016. Disponível em: <http://www.abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/010/ELIANE_MORAES.pdf>. Acesso em 23 de abril de 2020.

MORAES, Péricles. Os intérpretes da Amazônia. Manaus: Editora Valer e Governo do Estado do Amazonas, 2011.

NOVOA, Carmen. Violeta Branca: poetismo de vanguarda. Manaus: Academia Amazonense de Letras, 2010.

PAZ, Octávio. A chama dupla: amor e erotismo. Trad: Wladir Dupont. Lisboa: Assírio&Alvim, 1994.

TELLES, Tenório. Evocações líricas e transição modernista em Violeta Branca. In: BRANCA, Violeta. Ritmos de inquieta alegria. Manaus: Editora Valer, 1998. p. 20.

VICENTE, Joselia. O erotismo em sua evolução histórico-cultural: a saga da temática mais repelida e cobiçada da literatura. Disponível em: <http://alb.com.br/arquivo-morto/edicoes_ anteriores/anais15/alfabetica/VicenteJoseliaAparecidaPires.htm>. Acesso em 23 de abril de 2020.

Publicado
2020-06-30
Seção
Dossiê