Alguém-mulher: "A Obscena Senhora D" à luz da teoria literária feminista

Autores

  • Isabela Dantas Universidade Federal do Espírito Santo
  • Maria Mirtis Caser Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v2i15.249

Palavras-chave:

Hilda Hilst, A obscena senhora D, Teoria Literária Feminista

Resumo

O presente artigo tem como intuito promover uma leitura de Hillé, a narradora de A obscena senhora D (1982) de Hilda Hilst à luz da teoria literária feminista. Para expor a confluência entre literatura, feminismo e a prosa poética da autora paulistana, utiliza-se como recurso a pesquisa bibliográfica tanto da ficção analisada quanto das acepções críticas apresentadas.

 

Referências

BEAVOIR, Simone. O segundo sexo. 2. ed., v. II. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CAVALCANTI, José Antônio. A obscena senhora D: uma narrativa de deslocamento. Terra roxa e outras terras – Revista de Estudos Literários, Londrina, v. 12, p. 132-143, jun. 2008. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel//index.php/terraroxa/article/view/24861/0. Acesso em: 15 dez. 2018.

DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos (Org.). Espaço e gênero na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Zouk, 2015.

DINIZ, Cristiano (Org.). Fico besta quando me entendem – Entrevistas com Hilda Hilst. São Paulo: Biblioteca Azul, 1. ed., 2013.

DINIZ, Debora. Perspectivas e articulações de uma pesquisa feminista. In: STEVENS, Cristina; OLIVEIRA, Susane Rodrigues de; ZANELLO, Valeska (Org.). Estudos feministas e de gênero: articulações e perspectivas. Ilha de Santa Catarina: Mulheres, 2014. 620 p.

SÁNCHEZ DUEÑAS, Blas. Literatura y feminismo. Sevilla: ArCiBel Editores, 2009.

FILHO, Deneval Siqueira de Azevedo. Ter sido estar sendo – A prosa poética de Hilda Hilst. Curitiba: Editora CRV, 2018.

FLÓREZ, Mercedes Arriaga. Desconfianza y delirio en autoras autobiográficas. In: DURÁN, María del Mar Gallego. DOMÍNGUEZ, Eloy Navarro (Org.). Razón de mujer – género y discurso en el ensayo femenino. Sevilla: Ediciones Alfar, 2003.

HILST, Hilda. A Obscena Senhora D. São Paulo: Coleção Folha. Grandes nomes da literatura, v. 12, 2016.

LIMA, Nathália Ananda Silva de. Uma excêntrica senhora: figurações do não-humano em A obscena senhora D, de Hilda Hilst. 2015. Dissertação de Mestrado. Departamento de Letras, Universidade Federal de Viçosa. Viçosa-MG.

LOBO, Luiza. A literatura de autoria feminina na América Latina. Disponível em: http://members.tripod.com/~lfilipe/LLobo.html. Acesso em: 10 de dez. 2018.

MENEZES, Luciana P. V. L. O obsceno que faz cena: a tragédia revelada em Hilda Hilst. 2009. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória-ES.

MOI, Toril. Teoría Literaria Feminista. Madrid: Ediciones Cátedra, 1988.

PÉCORA, Alcir (Org.). Por que ler Hilda Hilst. São Paulo: Globo, 2010.

______. Nota do Organizador. In: HILST, Hilda. Da morte. Odes mínimas. São Paulo: Editora Globo, 2003.

ROSENFELD, Anatol. Hilda Hilst: Poeta, Narradora, Dramaturga. São Paulo, 1970. Disponível em: http://www.angelfire.com/ri/casadosol/criticaar.html. Acesso em: 03 de dez. 2018.

TEIXEIRO, Alva Martínez. Refulgência, dor e maravilha. In: REGUERA, Nilze Maria de Azeredo; BUSATO, Susanna (Org.). Em torno de Hilda Hilst. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Edição

Seção

Dossiê