A condição feminina na poética de Angélica Freitas e Berna Reale

Autores

  • Daniel Almeida Machado UFMS
  • Angela Maria Guida

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v1i14.255

Palavras-chave:

Literatura e performance, Mulher, Violência

Resumo

Para além da análise histórica, o caminho de ser mulher no mundo pode ser exemplificado por meio de produções artísticas distintas, das quais, embora não sejam pensadas como documentos, representam momentos compreensivos para a historicidade dos atos que configuraram a condição feminina como a percebemos: um espaço violentado, colonizado e assujeitado. Neste sentido, o presente trabalho pretende analisar, em uma perspectiva dialogal, poemas da escritora gaúcha Angélica Freitas e performances da artista visual paraense Berna Reale, com o objetivo de depreender os sentidos dos discursos poéticos/artísticos dessas mulheres, bem como tentar, a pequenos passos, superar as lacunas deixadas pelo discurso falocêntrico e hegemônico: a da recusa de um lugar para a mulher na sociedade.

Referências

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart. Corpo e escrita. In: Revista da UFMG. Belo Horizonte. v.19. n. 1 e 2, jan/dez. 2012.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Fatos e mitos. 4ª ed. Trad. Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do livro, 1970.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

________. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2ª ed. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

FREITAS, Angélica. “mulher de vermelho”. In: ________. Um útero é do tamanho de um punho. 1. ed. São Paulo: Companhia das letras, 2017.

________. “uma mulher gostava muito de escovar os dentes”. In: ________. Um útero é do tamanho de um punho. 1. ed. São Paulo: Companhia das letras, 2017.

GOLDBERG, Roselee. A arte da performance: do futurismo ao presente. 3. ed. Trad. Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

KLEIN, Julia. Na poesia. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. In: Estudos Feministas. Florianópolis, v. 22, n. 3, set./dez./, 2014.

RIVERA, Tania. O retorno do sujeito: Sobre performance e corpo. In: ________. O avesso do imaginário. Arte Contemporânea e Psicanálise. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

RAVETTI, Graciela. Narrativas performáticas. In: RAVETTI, Graciela; ARBEX, Márcia (Org.). Performance, exílio, fronteiras: errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: Departamento de Letras Românicas, Poslit/FALE/UFMG, 2002.

REALE, Berna. “Rosa púrpura” (2014). Disponível em: <https://nararoesler.art/artists/69-berna-reale/>. Acesso em 10 outubro. 2019.

________. “A frio” (2017). Disponível em: <https://nararoesler.art/artists/69-berna-reale/>. Acesso em 10 outubro. 2019.

WOOLF, Virginia. A posição intelectual das mulheres. In: ________. Profissões para mulheres e outros artigos feministas. Trad. Denise Bottmann. Porto Alegre, RS; L&PM, 2013.

Downloads

Publicado

2019-12-22

Como Citar

Almeida Machado, D., & Guida, A. M. (2019). A condição feminina na poética de Angélica Freitas e Berna Reale . Jangada: Crítica | Literatura | Artes, 1(14), 156–171. https://doi.org/10.35921/jangada.v1i14.255

Edição

Seção

Dossiê