A configuração da personagem feminina em 'A Rainha do Ignoto', de Emília Freitas, e em 'El Pais de las mujeres', de Gioconda Belli

Autores

  • Wanessa de Oliveira Coelho UFPA
  • Juliana Maia de Queiroz

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v1i14.258

Palavras-chave:

Personagem feminina, Narrativa oitocentista, Narrativa contemporânea, Emília Freitas, Gioconda Belli

Resumo

No século XIX, a sociedade concebia a atividade artística como uma qualidade especificamente masculina, logo, as mulheres deveriam se conformar com as suas imagens moldadas pelos homens. Contudo, sabe-se que algumas mulheres conseguiram superar essa imposição e não somente produziram textos literários como trataram das experiências femininas sob suas perspectivas. Por meio da criação literária, conseguiram revisar e reconstruir a configuração das personagens femininas, ainda que de forma dissimulada. É o caso de Emília Freitas (1855-1908) em sua obra fantástico-maravilhosa A Rainha do Ignoto (1899). Nela, a escritora subverte a concepção de mulher na narrativa oitocentista, no Brasil, por meio do recurso sobrenatural. Da mesma forma que a escritora brasileira, Gioconda Belli revisa a configuração da personagem feminina no século XXI. Em El pais de las mujeres (2010), a escritora revê o estereótipo feminino de mãe, esposa e cuidadora do lar como forma de quebrar o paradigma construído negativamente entorno desses aspectos. Essas escritoras foram fundamentais para a transformação da literatura de autoria feminina, haja vista que a tomada de consciência de se papel mudou a figuração da personagem feminina na ficção. Este trabalho toma como base os autores Gilbert e Gubar (1998), Bourdieu (2012), Verona (2013), dentre outros.

Referências

ALÓS, Anselmo Peres. O estranho e a crítica ao patriarcado: resgatando o romance A rainha do Ignoto de Emília Freitas. In: Organon (UFRGS), Porto Alegre, v. 19, n. 38-39, p. 113-126, 2005.

BELLI, Gioconda. O país das mulheres. Trad. Ana Resende. Campinas: Verus, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kuhner. 11.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CAMARANI, Ana Luiza Silva. A literatura fantástica: caminhos teóricos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

DUARTE, Constância Lima. A Rainha do Ignoto ou a impossibilidade da utopia. In: FREITAS, Emília. A Rainha do Ignoto. 3 ed. Florianópolis: Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003.

EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. Trad. António Sousa Ribeiro. Porto: Editora Afrontamento, 1978.

FREITAS, Emília. A Rainha do Ignoto. 3 ed. Florianópolis: Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003.

GILBERT, Sandra; GUBAR, Susan. La loca del desván: La escritora y la imaginación literaria del siglo XIX. Madrid: Cátedra, 1998.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Perspectiva, 2017.

VERONA, Elisa Maria. Da feminilidade oitocentista. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

Downloads

Publicado

2019-12-22

Como Citar

de Oliveira Coelho, W., & Maia de Queiroz, J. (2019). A configuração da personagem feminina em ’A Rainha do Ignoto’, de Emília Freitas, e em ’El Pais de las mujeres’, de Gioconda Belli . Jangada: Crítica | Literatura | Artes, 1(14), 141–155. https://doi.org/10.35921/jangada.v1i14.258

Edição

Seção

Dossiê