A estética do ser-ímã de Hilma Af Klint: um amálgama entre a ciência e a ficção

Autores

  • Luciane B. de Souza UFSC

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v1i14.268

Palavras-chave:

Hilma Af Klint, Hans Vaihinger, Ficção, Ciência

Resumo

RESUMO: Este trabalho realiza o movimento de bordear a relação entre a criação da artista sueca Hilma af Klint e as teorias científicas produzidas em sua época, relação esta que, num jogo de retroalimentação, explicita a força do imaginário na construção de realidades e deixa entrever como o conhecimento científico fertilizou seus trabalhos, posto que a ciência também está a todo o tempo sendo alimentada pela ficção. Para tal, adotamos aqui a perspectiva conceitual do filósofo alemão Hans Vaihinger (1911), que considera o impulso criativo e inventivo da ficção e da imaginação sobre a ciência, e desta última sobre a ficção. 

 

Referências

BATAILLE, Georges. A parte maldita: precedida de “A noção de dispêndio”. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

CHELES CRUZ, Anna Carolina. Hilma af Klint: do espírito à matéria. In: Palíndromo, v. 11, n. 24, p. 42-58, maio 2019.

http://www.revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/13326>

DELEUZE, G. Francis Bacon: logique de la sensation. Paris: Éditions du Seuil, 2002.

DELEUZE E GUATTARI. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 2. Coordenação da tradução Ana Lúcia de Oliveira. São Paulo: Editora 34, 1980.

________. O que é filosofia? São Paulo: Editora 34, 1991.

DE ZEGHER, Catharine. “Abstract,” in 3 × Abstraction: New Methods of Drawing; Hilma af Klint, Emma Kunz, and Agnes Martin. New York: Yale University, 2005.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O Que Vemos, O Que Nos Olha. 1a. ed. São Paulo: Editora, 1998.

FLUSSER, Vilém. Natural:Mente: vários acessos ao significado de natureza. São Paulo: Annablume, 2011.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura. v. I. São Paulo: Editora 34, 1996.

KOJÉVE, A. Las pinturas concretas de Kandinsky. Madri: Ed. Abada. 2007.

RYLE, Jadranka. Feminine Androgyny and Diagrammatic Abstraction: Science, Myth and Gender in Hilma af Klint’s Paintings. 2019.

< https://birchandstar.files.wordpress.com/2019/05/the-idea-of-north-jadranka-ryle.pdf>

ROLIM. José Henrique Fabre. Hilma af Klint, complexidade filosófica da existência. 2018 https://arteref.com/opiniao/hilma-af-klint-complexidade-filosofica-da-existencia

ROSENBERG, Raphael. Was There a First Abstract Painter? Af Klint’s Amimetic Images and Kandinsky’s Abstract Art in Hilma af Klint: The Art of Seeing the Invisible. Stockholm: Axel and Margaret Axson Johnson Foundation, 2015.

https://www.academia.edu/14205210/About_the_essay_volume_Hilma_af_Klint_The_Art_of_Seeing_the_Invisible>

VAIHINGER, Hans. A filosofia do como se. Chapecó: Argos, 2011.

Figura nº 3 e nº 4: The Atom Series, 1917 < https://www.guggenheim.org/arts-curriculum/topic/science>

Downloads

Publicado

2019-12-22

Como Citar

B. de Souza, L. (2019). A estética do ser-ímã de Hilma Af Klint: um amálgama entre a ciência e a ficção . Jangada: Crítica | Literatura | Artes, 1(14), 20–38. https://doi.org/10.35921/jangada.v1i14.268

Edição

Seção

Dossiê