Paródia em jornalismo: o caso do site 'Sensacionalista'

Autores

  • Assunção Cristóvão Universidade de Franca - Unifran

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v1i16.295

Palavras-chave:

paródia, jornalismo, site sensacionalista

Resumo

Este artigo analisa o gênero paródia jornalística presente no site Sensacionalista, numa perspectiva do Círculo de Bakhtin a partir dos conceitos paródia, gênero do discurso, carnavalização, forças centrípetas e centrífugas e, certamente, dialogismo, fio condutor das visões teóricas de Mikhail Bakhtin e seu grupo de estudos. Para Bakhtin, a paródia não se encontrava num nível inferior ao dos gêneros ditos sérios, pelo contrário. O autor valorizava aspectos como o riso, a inversão e a profanação, características que encontrou nos romances de Rabelais e que descreveu na obra A cultura popular na Idade Média e no Renascimento, em que desenvolve o conceito de carnavalização, que está diretamente ligado ao conceito de paródia no que se refere a categorias como a inversão e a profanação. O site Sensacionalista usa esse expediente em relação à imprensa considerada séria e subverte o conteúdo temático do gênero mantendo sua estrutura composicional e estilo para provocar o riso. Para efeito deste artigo, foi analisada uma paródia de notícia e observadas suas características como gênero discursivo em relação ao jornalismo dito sério. Espera-se, com o artigo, ajudar a revelar alguns aspectos da atração que esse tipo de jornalismo de paródia exerce junto ao público.

Referências

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento – o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1999.

______. Questões de literatura e de Estética – A teoria do romance. São Paulo: Editora Unesp/Hucitec, 1998.

______. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

BARROS, D. L. P. de. Contribuições de Bakhtin às teorias do discurso. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin, dialogismo e construção do sentido. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2005.

FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Contexto, 2016.

FOLHA DE S. PAULO. Manual geral de redação. 2ª. ed. São Paulo: Publifolha, 1987.

______. Manual de redação. 2.ed. São Paulo: Publifolha, 2010.

MORETT, M. D. A sátira do acontecimento jornalístico pelo humor: os pseudojornais. Monografia para obtenção do diploma de Comunicação Social – Jornalismo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

SENSACIONALISTA. Disponível em: https://www.sensacionalista.com.br/. Acesso em: 22 de jul. de 2020.

SILVA, C. E. L. da. O adiantado da hora: a influência americana sobre o jornalismo brasileiro. São Paulo: Summus, 1991.

VOLÓCHINOV, V. A palavra na vida e a palavra na poesia – Ensaios, artigos, resenhas e poemas. Organização, tradução, ensaio introdutório e notas de Sheila Grilo e Ekaterina Vóldova Américo. São Paulo: Editora 34, 2019.

Downloads

Publicado

2021-01-30

Como Citar

Cristóvão, A. (2021). Paródia em jornalismo: o caso do site ’Sensacionalista’. Jangada: Crítica | Literatura | Artes, 1(16), 94–106. https://doi.org/10.35921/jangada.v1i16.295