A subjetividade complexa das pessoas freaks em 'American horror story: freak show'

Autores

  • Thatiane Bonini Universidade Federal de Jataí
  • Natasha

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v1i18.390

Palavras-chave:

Freak, Freak show, Corpos, Sociedade

Resumo

A subjetividade das pessoas que possuem um corpo com deficiência é frequentemente simplificada ou reduzida a um estigma. Historicamente, esse corpo fora lido depreciativamente como monstruoso ou freak durante séculos. Em American horror story: Freak show, série antológica de terror produzida por Ryan Murphy e Brad Falchuk (2014), somos introduzidos aos Estados Unidos da América na década de 1950, momento em que tais nomenclaturas pejorativas e preconceituosas costumavam ser usadas. Neste artigo, temos como objetivo analisar a subjetividade das personagens freaks na referida série, ou seja, examinamos a representação das pessoas com corpos considerados monstruosos. Para isso, recorremos a fundamentos da história e da sociologia (BARNUM, 1888; BOGDAN, 1988; DEMELLO, 2007; LE BRETON, 2007; DURBACH, 2010; KALIFA, 2019) no delineamento dos conceitos de corpo, freak e freak show. Como resultado, observamos que o seriado opta pela representação não redutora da subjetividade das pessoas consideradas freaks. Apesar de a sociedade ler com frequência esses corpos de uma maneira superficial, vemos que American horror story: Freak show contribui para difundir a ideia de que as pessoas freaks são dotadas de complexidades, duplicidades e contradições, não diferindo, afinal, daquelas consideradas normais.

Referências

AMERICAN horror story: freak show. Criação e produção: Ryan Murphy e Brad Falchuk. Produção executiva: Dante Di Loreto, Tim Minear, James Wong. Nova Orleans, FX: 2014. Plataforma digital Prime Video (644min).

ARISTOTLE’S Masterpiece. London: The Bookseller, 1900. pp. 34-41, 244.

BARNUM, P.T. Life of P.T. Barnum. Buffalo: The Courier Company, 1888.

BOGDAN, R. Freak Show: Presenting Human Oddities for Amusement and Profit. Chicago: University of Chicago Press, 1988.

COURTINE, J. “O corpo inumano”. In: VIGARELLO, Georges. História do Corpo: Da Renascença às Luzes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. pp. 487-502.

DEMELLO, M. Encyclopedia of body adornment. Santa Barbara: Greenwood Publishing Group, 2007.

DURBACH, N. The spectacle of deformity: freak shows and modern British culture. Oakland: The Regents of the University of California, 2010.

KALIFA, D. Escribir una historia del imaginario (siglos xix-xx). Institut Universitaire de France: Paris, 2019.

KIDD, D. Pop Culture Freaks: Identity, Mass Media, and Society. Boulder: Westview Press, 2014. pp. 177-201.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. Tradução de Sônia M.S. Fuhrmann. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Bonini, T., & Costa, N. V. da S. (2021). A subjetividade complexa das pessoas freaks em ’American horror story: freak show’. Jangada: Crítica | Literatura | Artes, 2(18), 402–425. https://doi.org/10.35921/jangada.v1i18.390