“Agora, que solidão a minha": Camilo Pessanha e o fim de século português

Autores

  • Camila Marchioro UFPR

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v1i14.205

Palavras-chave:

Camilo Pessanha, Simbolismo, Oriente, Periodização Literária

Resumo

Esse artigo se dedica a apresentar alguns aspectos históricos da atividade literária de Camilo Pessanha em Portugal antes de sua ida à China. São descritas as suas concepções sobre poesia, sua autocrítica e conexões com outros autores da época. O artigo ainda contempla uma revisão crítica do modo como Pessanha foi abordado no decorrer dos séculos a partir da sua relação com o Simbolismo. Tomando como base algumas composições do poeta, tenta-se problematizar a sua classificação como um simbolista estreito, chamando a atenção para outros aspectos de sua escrita que se relacionam com temas comuns à literatura portuguesa anterior ao Simbolismo e que se conectam à temáticas orientais as quais o poeta conheceu durante a sua vivência no Oriente. Por fim, nota-se a importância de considerar outras relações que Pessanha tenha estabelecido para além do Simbolismo, dando maior amplitude à relevância de sua contribuição poética, redimensionando os laços de sua obra.

Referências

BALAKIAN, A. The fiction of the poet. Princeton: Princeton University Press, 1992.
_____. The Symbolist movement a critical appraisal. New York: Random House, 1967.
CANDIDO, A. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000.
CARDOSO GOMES, Á. O simbolismo. São Paulo: Ática, 1994.
CARVALHO PRATA, M. A. Imprensa estudantil de Coimbra: Repertório analítico (século XIX). v. 1. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2006.
CASTRO, E. “Prefácio da primeira edição de Oaristos”. In. GOMES, Á. C. A estética simbolista. São Paulo: Cultrix, 1985.
FRANCHETTI, P. “O Haikai no Brasil”. In: Alea, vol.10, n.2, Rio de Janeiro, July/Dec, 2008.
_____. Nostalgia, Exílio e Melancolia: leituras de Camilo Pessanha. São Paulo: Edusp, 2001.
LEMOS, E. A Clepsidra de Camilo Pessanha. Lisboa: Verbo, 1981.
MEIRELES, C. Poetas Novos de Portugal. Rio de Janeiro: Dois Mundos, 1944.
MOISÉS, M. A literatura portuguesa. São Paulo: Cultrix, 2005.
MURICY, A. Panorama do simbolismo brasileiro. Vol. I. São Paulo: Perspectiva, 1987.
PEREIRA, J.C.S. “Camilo Pessanha e a transmutação simbolista”. In: História Crítica da Literatura Portuguesa. Vol. VII - Do Fim-de-século ao Modernismo. Lisboa/São Paulo: Editorial Verbo, p. 129-139, 1995.
_____. “Romantismo tardio e surto neo-romântico no fim-de-século”. In: Revista Humanitas, vol 50. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1998.
PESSANHA, C. “Crónica da Alta”. In: A Crítica, 1.ª série, n.º 2, março de 1888.
_____. Correspondência, dedicatórias e outros textos. São Paulo: Unicamp, 2012.
_____. Prefácio a Camilo Pessanha – prosador e tradutor. Macau, Instituto Cultural de Macau,1992.
_____. Clepsidra. Edição crítica, fixação do texto, introdução e notas de Barbara Spaggiari. Porto: Lello e Irmão, 1997.
PIRES, D. “Cronologia da vida e da obra de Camilo Pessanha”. In: PESSANHA, C. Correspondência, dedicatórias e outros textos. São Paulo: Unicamp, 2012.
RAMOS, F. Trindade Coelho homem de letras: o contista, o esteta e o pedagogista. Coimbra: Acta Universitatis Conimbrigensis, 1947.
RUBIM, G. Experiência da alucinação: Camilo Pessanha e a questão da poesia. Lisboa: Caminho, 1993.
SARAIVA, A.J; LOPES, Ó. História da literatura portuguesa. Porto: Porto Editora, 2001.
SPAGGIARI, B. O simbolismo na obra de Camilo Pessanha. Carlos Moura (trad). Lisboa: Instituto da Cultura e da Língua Portuguesa Publicações, 1982.

Downloads

Publicado

2019-12-22

Como Citar

Marchioro, C. (2019). “Agora, que solidão a minha": Camilo Pessanha e o fim de século português. Jangada: Crítica | Literatura | Artes, 1(14), 201–227. https://doi.org/10.35921/jangada.v1i14.205